Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Enquanto não me for comprovado pelos senhores arqueólogos, em documento público independente da publicidade ou confidencialidade de qualquer processo judicial, parece-me ser então claro que não estou disposto aceitar que a ‘’colecção egípcia’’ seja falsa e, por essa razão deixar de ser minha, como português, e ser vendida por aí como latoaria, ou reciclada para emissão de moeda.


Porque os pressupostos com que o BPN/SLN/Oliveira e Costa a adquiriram, que eram os meus ao acompanhar e promover a aquisição, eram os de que o consórcio (BPN/SLN/Oliveira e Costa) colocava sob a sua protecção um importante acervo de património de interesse público. Quem negar isto que se apresente publicamente para eu o demonstrar.


Ora, a questão fundamental, se o leitor ainda não entendeu, é essa.


A partir do momento em que o Estado nacionalizou o BPN, os activos do banco jamais poderiam ser privados, mesmo que se decidisse reprivatizá-los, porque, para tal, devia ser pedida a opinião directa e livremente expressa aos portugueses. Não podemos esquecer-nos de que estão em causa mais de três mil milhões de Euros, o valor em deficit no orçamento de 2013 que obrigaria Vítor Gaspar e o Governo a fazerem tábua rasa da Constituição e injuriar o Tribunal Constitucional. E que sujeitaram os portugueses a sacrifícios bárbaros e obscenos.


Vamos colocar assim a questão. A dívida do BPN, ou da SLN pela qual o BPN respondeu, é assumida pelos portugueses. Os activos, que como se demonstrou cobrem por excesso o valor da dívida, são privados. Os portugueses ainda não entenderam que o fulcro do problema é este?


Vamos supor que os activos actualmente na posse do BPN, transferidos para as ‘’empresas veículo de estacionamento’’ - isto tudo parece já uma cifra cabalística -  ascendiam a, arredondando, três mil milhões de Euros. O que nunca nos explicam é qual é com rigor a natureza desses activos. Só de alguns.

Supostamente esses activos serão, na maior percentagem, decorrentes de financiamentos de crédito.


Vamos dar alguns exemplos.


Sabemos que a SLN adquiriu ao poeta Joaquim Pessoa uma ‘’colecção egípcia’’ e o BPN concedeu, para o efeito, um crédito de cinco milhões de Euros à SLN. Uma vez que, no actual contexto, a SLN não parece em condições de liquidar o crédito concedido pelo BPN, o ‘’veículo estacionado’’, seja, a sociedade que administra os activos do BPN (PARVALOREM), entra na posse de um activo real, uma ‘’colecção egípcia’’, seja isso o que for.


Sabemos que o BPN, ou Oliveira e Costa, concedeu a Duarte Lima um crédito para adquirir um imóvel. Uma vez que Duarte Lima não está em condições de liquidar o crédito concedido pelo BPN, o BPN entra na posse de um activo real, o imóvel dado por Domingos Duarte Lima como garantia.


Mas são-nos reportados muito poucos casos similares a estes dois. Na maioria dos casos fala-se de um activo que será uma dívida da SLN ao BPN. Mas não é referido qualquer suporte material para garantir essa dívida e a sua boa cobrança. Na sua maioria tratava-se de créditos do BPN para a SLN adquirir produtos financeiros, capital social em outras sociedades.


Não me parece, por exemplo, que nos tenham até ao momento dado muita informação acerca do procedimento objectivo através do qual a SLN adquiriu a José Roquete e a Dias Loureiro a PLEIADE. Não nos dizem se a PLEIADE foi ou não adquirida pela SLN com crédito concedido pelo BPN. Assim sendo, a PLEIADE seria um dos activos ‘’estacionados nas sociedades veículo’’.


Não sabemos mesmo até que ponto todos, ou quase todos os accionistas da SLN adquiriram capital social com financiamentos do BPN, que foram entretanto liquidados, não o cremos, ou integram, sem ‘’fazer muito barulho’’, os activos ‘’estacionados’’.

 

Na realidade, nós pensamos que o caso BPN é muito complexo. Mas não é. É de uma simplicidade redutora. Simplesmente, não sabemos nada. Alguém consegue dar uma resposta às questões que coloquei em cima? Alguém me sabe dizer se o capital social dos diversos detentores dele nas empresas da SLN estava liberto e se havia capital social das empresas da SLN que estava caucionado como garantia ao BPN?


Os senhores entendem que, se fosse o caso, o caso BPN mudaria radicalmente de figurino?


Tal significaria que, desde o seu início, a nacionalização e toda a berraria não foi mais do que uma grande operação de salvamento da SLN e de todos os envolvidos. E que a partir de então ficou tudo caucionado, sob chantagem, ao plano maquiavélico da Caixa Geral de Depósitos, que o Governo da Coligação chamou a si.

Ora, eu vou seccionar esta nota, para o leitor poder inspirar e expirar. E poder concluir de novo com a ‘’colecção egípcia’’. Mas sintetizo o pressuposto.

 

O activo do BPN era de facto uma folha de contabilidade, ou de cálculo.


Não correspondia, no essencial, a nada de real. Era constituído por dívidas. Por dívidas que tinham por garantia mais dívidas. Que tinham por garantia outras dívidas.

No essencial o activo do BPN era constituído pelos créditos concedidos à SLN para comprar capital social em sociedades. E pelo crédito concedido aos sócios da SLN para comprarem e reforçarem o capital social da SLN.


Quando a CGD tomou posse do BPN, após a nacionalização, já tinha compreendido bem a lição, ou tinha sido a CGD que a tinha ensinado. Mais adiante explico como.


O que a CGD vai fazer será usar uma folha de contabilidade para negociar novos créditos. Vai servir-se do activo do BPN para dar como garantia dos novos créditos que vai solicitar no mercado, que ficarão garantidos pelas sociedades de capital público encarregues da venda ou resgate dos activos do BPN (PARVALOREM).


Como os novos créditos garantidos pelo activo do BPN se multiplicam astronomicamente, seja, a ‘’dívida BPN’’ cresce, os activos, após a incorporação das garantias dos créditos, crescem em paridade e equivalência. Portanto, o valor activo do BPN cresce em equivalência ao montante dos créditos.


Restará pois raciocinar por paridade e equivalência e encontrar o rasto dos novos créditos que o BPN/PARVALOREM concedeu após a nacionalização, através da especulação com os seus activos. E verificar onde foram parar.

 

Até já.

Autoria e outros dados (tags, etc)



2 comentários

Imagem de perfil

De MLM a 27.09.2013 às 20:10

a base da especulação. O BPN é-nos apresentado como uma dívida que cresce a cada semestre quase 500 milhões de Euros.
E que temos que pagar.
É equivalente ao permanente deficit orçamenta e cresce com ele.
Mas o valor dos activos cresce também em equivalência. Temos aqui três valores em contínua equivalência.
Ora, o que se passa? O Estado está a pedir créditos dando como garantia o activo do BPN, que é mera contabilidade. Pede dinheiro de acordo com o que falta para cobrir o deficit orçamental. Esse valor acresce cada semestre ao montante da dívida pública.

Por outro lado, como são os activos do BPN que garantem o crédito, É o BPN que fica titular da concessão dos créditos. Seja, o Orçamento geral do estado fica devedor do BPN.

Portanto, o valor activo do BPN cresce em equivalência ao montante dos créditos.
Isto era o que fazia o BPN do Oliveira e Costa. Mem mais nem menos.
Só que com centenas e não milhares de milhões de Euros. A diferença entre antes e agora é que é o Estado, seja, os portugueses, quem se está a endividar ao BPN. Porque a dívida é sempre nossa. Os activos são da PARVALOREM.
Imagem de perfil

De MCN a 27.09.2013 às 22:07

Quando o governo anuncia que conseguiu negociar no mercado privado (?) os títulos da dívida isso quer dizer que o BPN/PARVALOREM arranjou o dinheiro com garantia sobre os tóxicos do BPN. É por isso que o buraco cresce um milhar de milhões por semestre, mas os activos tóxicos também

Comentar



MCN

foto do autor


Escreva-nos

oficinadalingua@gmail.com

Pesquisar

  Pesquisar no Blog







.


.