Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



[E ora então um conhecido juiz londrino, interrogando uma testemunha no julgamento de um assassínio, perguntava-lhe:

 

-         Imagine que um dia, pela manhã, numa Segunda-Feira, passava junto de um certo edifício e lhe desabava na cabeça um tijolo. O que diria?


-         Diria que fora um acidente, Excelência.


-         Pois imagine que no dia seguinte, Terça-Feira, passava à mesma hora junto do mesmo edifício e lhe desabava de novo sobre a cabeça outro tijolo. Que diria?


-         Diria que fora uma coincidência.


-        E  agora imagine ainda que no dia seguinte, Quarta-Feira, passava à mesma hora junto do mesmo edifício e lhe desabava sobre a cabeça um novo tijolo. Que diria então?


-         Diria, Excelência, que era um hábito.]

                                                                       

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



2 comentários

Imagem de perfil

De MCN a 29.09.2013 às 15:16

O núcleo derradeiro e mais extravagante, que, por paradoxo, mais suscitava a cobiça balbuciada, era um conjunto de dezasseis realizações em lâmina de ouro forjado e repuxado, treze máscaras funerárias, e três tiaras, ou coroas, ornamentadas com mascarões, que se atribuíam também ao início da Idade do Ferro do Ocidente Peninsular. A dedução fundamentava-se nos procedimentos de observação e análise atrás referenciados.
Imagem de perfil

De MCN a 29.09.2013 às 15:30

Uma manhã do Outono de 2005 recebi um telefonema da parte de Oliveira e Costa, que me pedia uma reunião para essa tarde.
Chegado à reunião, com a presença de Oliveira e Costa e Francisco Sanches, mostraram-me a impressão de um mail. O mail vinha acompanhado por uma foto de uma máscara em ouro, reencaminhada de outro endereço, com a alegação de que o BPN devia ter cautela, porque estava a adquirir uma colecção que integrava máscaras daquela tipologia.
E a máscara constante da foto fora apreendida pela polícia turca e procedia do Iraque, a bem dizer do Museu de Bagdad. O autor da mensagem original nomeava-se a si próprio como António Silva, estava em campanha no Algarve, deduzia-se ou fazia deduzir, Anton para os amigos. O mail era reencaminhado de Cabo Verde, do endereço de Vaz de Mascarenhas.

(Ler mais na publicação de 17 de Setembro: O Caso BPN - Facto VI - A "colecção egípcia".)

Comentar




Escreva-nos

oficinadalingua@gmail.com

Pesquisar

  Pesquisar no Blog







.


.