Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Caro Luís.

 

Como já deve ter notado, o Ministério Público, na pessoa do Jorge Teixeira, deduziu já acusação no âmbito do caso da ‘’colecção egípcia’’.

De modo que tudo o que se encontrava em regime de ‘’segredo de justiça’’ passou agora a ser do domínio público, para lá do domínio dos acusados. Eu sou um deles.

Acredito que muita gente, incluindo arqueólogos, esteve convencida de que eu não seria acusado, deduzindo dessa conjectura que não entraria no conhecimento dos detalhes processuais.

Mas como eu sou um ‘’chato’’ e nunca me calei, acabei por ser acusado, após ser constituído arguido uns meses antes de o Jorge Teixeira deduzir a acusação.

Mas caso não fosse acusado, devia ter-se manifestado também óbvio que eu seria o sujeito que nunca deixaria de sujeitar todo o processo a uma exaustiva análise, porque, na verdade, ainda não o li no propósito de me defender.

Como bem diz o Luís, eu não sou arqueólogo. Não ando pela vida para me defender, mas para defender outras coisas.

Ora, não posso deixar de lhe agradecer ter sugerido e proposto ao Jorge Teixeira aqueles três parvos para emitirem um tal parecer pericial sobre a matéria em falta, as ‘’quase duzentas peças’’ que constituem a ‘’colecção egípcia’’.

Em breve, dois ou três dias, vou enviar-lhe cópia do parecer emitido pelo Mário, pelo Virgílio e pelo outro ‘’chavalito’’ que não conhecia. O Luís constatará então porque lhe agradeço tão encarecidamente. Melhor era impossível.

Tão oportuno como o parecer desses três, só o depoimento da Ana Isabel, que devia ter demonstrado ao Jorge Teixeira que pode surgir sempre uma Jeanette que questione as nossas convicções. Será que os arqueólogos já não lêem, sequer, o que escrevem?

Bem, mas tudo isto é pouco relevante.

O que quero mesmo propor à consideração e à elevada consciência cívica do Luís é o seguinte:

Imagine que, no todo ou em parte, se vem a constatar que, subtraindo à equação a proveniência das peças ou da colecção, ela é autêntica, ou que sendo ‘’cópias’’ ou ´´invenções’’ não são de tão má qualidade quanto as fotos alegadamente realizadas pela Polícia Judiciária sugerem.

Não seria lamentável que, pura e simplesmente, com a cumplicidade passiva dos arqueólogos, ela tenha desaparecido?

O Luís nunca entenderá, porventura, o que eu pretendia dizer quando alegava que não sou arqueólogo mas ‘’arqueómano’’. O José d’Encarnação também não.

Mas pense nisso. Conto com o Luís para promover uma campanha veemente que exija a apresentação pública da ‘’colecção egípcia’’.

 

Um abraço.

Manuel

 

A "colecção falsa", segundo Débora Carvalho/Correio da Manhã 

Autoria e outros dados (tags, etc)



2 comentários

Sem imagem de perfil

De Marta a 27.07.2014 às 16:06


Bom, por muita estima que se tenha, um amigo deve dizer a verdade. A coisa muda só se ele acha que diz a verdade sem saber que é mentira. O que não me parece ser o caso.. Luís Raposo disse há anos à comunicação social que a colecção é falsa. Não o vejo dizer que a viu , nem agora, nem antes. Mas também não estou à espera que o Director do Museu Nacional de Arqueologia, Representante da Rede Portuguesa de Museus no Conselho Nacional de Cultura. Presidente da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM, blabla etc etc, viesse agora desdizer o que disse à comunicação social. Atira simplesmente a confiança para o parecer dos três parvos, num ano em que a colecção já nem sequer tinha paradeiro se formos a ver a cronologia dos factos.
Podes ter apreço por ele, mas eu não tenho, depois do que constato e portanto posso dizer o que me apetece. E de facto acho que o Luís Raposo,  Director do Museu Nacional de Arqueologia, Representante da Rede Portuguesa de Museus no Conselho Nacional de Cultura. Presidente da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM, blabla etc etc,, está a fazer a figura de parvo para se acrescentar aos outros. Já percebi que convém a todos que esta colecção EXISTA mas NÃO APAREÇA. Exista para ser falsa.Não apareça para que não tenham de se enfiar num buraco!
Sem imagem de perfil

De Manuel de Castro Nunes a 27.07.2014 às 16:37

Ora bem, o mais grave que se passa no que respeita à dita ‘’colecção egípcia’’ é o facto de ninguém me rebater de forma clara e conclusiva, quando alego que tanto a ‘’colecção ergípcia’’ com a ‘’colecção Miró’’ se encontram sem paradeiro.

De facto só haveria uma forma de me rebaterem. Seria apresentá-las publicamente, de forma inequívoca.

A quem ler integralmente o Processo 91/09.9JDLSB, manifesta-se óbvio que a ‘’colecção egípcia’’ foi alegadamente observada presencialmente em dois momentos, por cinco sujeitos. Dois inspectores da Polícia Judiciária que alegadamente a fotografaram em Fevereiro de 2009. E três arqueólogos que redigiram um parecer e alegam também tê-la observado no dia exacto do primeiro aniversário sobre a diligência dos dois inspectores da PJ que a fotografaram, em Fevereiro de 2010.

Se de facto é verdade que uns e outros a observaram presencialmente, tal é ainda mais grave, pois tanto o repertório fotográfico da PJ como o parecer dos arqueólogos beneficiariam da atenuante de terem sido realizadas na ausência presencial da colecção, como demonstrarei em breve, com a apresentação pública dos respectivos documentos.

Ora, se as colecções, tanto a ‘’egípcia’’ como a de miroses, existem de facto e os inspectores da PJ, o Rui Teixeira e os arqueólogos conhecem o seu paradeiro, o mínimo que poderia alegar seria que todo o Processo, todas as diligências e todas as intervenções da comunicação social foram torpemente programados para me induzirem na convicção de que o paradeiro da ‘’colecção egípcia’’ é conhecido por eles. E talvez para alegar que o Manuel Castro Nunes, não tendo argumentos para se defender, inventou o tema da falta a colecção.

 

Sem dúvida, eu não sou o culpado de todos os intervenientes no Processo, desde a Polícia Judiciária, ao Procurador e aos arqueólogos, se apresentarem nele tão ‘’toscos’’.

Comentar




Escreva-nos

oficinadalingua@gmail.com

Pesquisar

  Pesquisar no Blog







.


.