Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os senhores imputam-me a responsabilidade de ter feito chegar dinheiro a Sócrates, mas só pode ter sido o Helder Bataglia.

 

Ricardo Salgado, segundo a revista SÁBADO, 2 de Março de 2017, antecipando em quinze dias a conclusão do prazo fixado pelo Ministério Público para conclusão do inquérito.

Lido tudo e devidamente ponderado, nomeadamente as reportagens das revistas SÁBADO e VISÃO que concluem a investigação, não se vislumbra mais de que, para lá dos óbvios propósitos políticos já devidamente ponderados, o Procurador Rosário Teixeira e o Juiz Carlos Alexandre são, conscientes ou não, ''pivots'' de um grande ajuste de contas entre duas ou mais facções da oligarquia e da alta finança.
Não se vislumbra mais nada.
Talvez a crise financeira global, com as suas componentes de ''leaks'' e ''papers'', não seja mais do que isso.
Um grande ajuste de contas entre duas ou mais facções da oligarquia e da alta finança, porque, sugere-nos a física, dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no mesmo momento.
Na verdade, o mundo global era já tacanho para tanto aprendiz de canalha.

 

Habituaram-nos à ideia de que a saúde do sistema financeiro e a disposição dos investidores prevalecem sempre sobre a vontade e orientação política dos governantes.

Não conseguimos entender as razões por que Ricardo Salgado, Helder Bataglia, Zenal Bava, Barroca ou Carlos Santos Silva necessitavam de corromper o primeiro ministro José Sócrates para levarem a cabo os seus intentos, nomeadamente de comprar petróleo no Congo.
Bastava-lhes pressionarem a concertação social.

O senhor procurador necessitou de quase três anos para digerir tanta informação. Eu estou a ler as dezanove páginas da reportagem e acusação da revista SÁBADO, com um cuidado muito especial na decifração das transcrições dos interrogatórios. Vou ler vinte vezes, para entender como as coisas se ligam, é muita matéria. Amanhã reporto as minhas diligências. Mas ocorre-me transcrever:

''RT: Sôtor, mas o grupo tem caras. Isto foi entre si e o senhor Helder Bataglia?''

Não sei se a revista VISÃO teve acesso a uma versão escrita ou ''audio'' dos interrogatórios. Ou se estava presente. Recordo-me que numa dada era e condição os meus alunos também me tratavam por ''setor''.'' 



Autoria e outros dados (tags, etc)




MCN

foto do autor


Escreva-nos

oficinadalingua@gmail.com

Pesquisar

  Pesquisar no Blog







.


.